Google+ Cinema e Mídia

Social Icons

twitterfacebookgoogle plusrss feedemail

Featured Posts

Amor.

Michael Haneke mostra sua visão sobre velhice e amor

4 exemplos do cinema brasileiro

Febre do rato, Natimorto, Paraísos Artificiais, Natimorto

Quatro bons filmes argentinos

para apreciarmos um bom cinema.

Tabus sexuais no cinema

Depois de Shame, outras produções abordam o tema.

O Mestre

Com atuações espetaculares e roteiro metafórico, filme de Anderson fala sobre religião e vazios.

quarta-feira, maio 21, 2014

A Evolução dos Efeitos Visuais


Compilação muito interessante sobre a evolução dos efeitos visuais. Quase todos os filmes são dos Estados Unidos, mas ainda sim, um deleite às técnicas.

quinta-feira, março 20, 2014

Veja 1001 filmes em 10 minutos

Uma seleção de "1001 filmes para ver antes de morrer" em dez minutos. Edição interessante e um desafio instigante em reconhecer os que você já viu e os que quer ver.




sábado, março 15, 2014

Cuiabá e Rondonópolis recebem Mostra Encontro com o Cinema Alemão


O Sesc Mato Grosso, em parceria com o Goethe Institut, traz para Cuiabá e Rondonópolis um panorama do cinema alemão, com filmes produzidos no final do século XX e início do século XXI. Ao todo, são dez produções prestigiadas como Adeus, Lenin!, de Wolfgang Becker e Yella, de Christian Petzold. 

Em Cuiabá, a Mostra, que é uma ação do calendário da Temporada Alemanha + Brasil 2013-2014 acontece no Sesc Arsenal de 19 a 23 de março. Já no Sesc Rondonópolis a programação começa já na segunda (17) até sábado (22). As faixas etárias dos filmes variam de 12 a 16 anos.



segunda-feira, março 03, 2014

Oscar 2014: quase sem surpresas

A cerimônia do Oscar 2014 optou por uma linha mais politicamente correta e "democrata" ao diluir seus principais prêmios para vários bons filmes. Gravidade ganhou 7 estatuetas, em sua maioria prêmio técnicos, além do esperado melhor direção. "12 Anos de Escravidão" ganhou força nas últimas semanas e além de melhor filme, venceu também com melhor atriz coadjuvante e roteiro adaptado.

O injustiçado "Ela" de Spike Jonze ao menos venceu com o Oscar de roteiro original, e "Blue Jasmine" deu a estatueta a Cate Blanchet, apesar do período nebuloso para Woody Allen. Faltou premiar "Inside Llewyn Davis - Balada de Um Homem Comum ", dos Irmãos Coen e "Nebraska", de Alexander Payne. Mas o grande perdedor, mesmo, foi "Trapaça", que mesmo com 10 indicações e dirigido pelo novo queridinho de Hollywood, David O. Russell, não levou nada.

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

Forestcom ganha prêmios de Melhor Curta, Direção e Fotografia no Cinemato

Forest Comunicação - O dia de encerramento do Cinemato foi simbólico e muito especial para o Fórum Teles Pires. Horas depois de uma reunião no qual integrantes do Assentamento 12 de outubro discutiam sua inclusão no PBA da Usina Teles Pires que será construída em Sinop, o vídeo que ajudou a denunciar essa situação ganhava o prêmio de Melhor Curta na categoria Mato Grosso, eleito pelo júri popular, no Festival de Cinema e vídeo de Mato Grosso, o Cinemato.
A Forest tem muita honra de ter realizado esse documentário, feito como se diz: “na unha”, sem recursos, apenas com boa vontade. O resultado pode não agradar tecnicamente aos cinéfilos mais exigentes, mas a história do filme fala por si. É uma denúncia do processo de licenciamento das hidrelétricas no Brasil, uma história que se repete em diversas partes do país onde erros custam a vida e os sonhos de centenas de pessoas.
O vídeo “UHE Sinop x Assentamento 12 de Outubro” ganhou ainda o prêmio de Melhor Direção para Thiago Foresti. Além disso, outra produção da Forest, “VI Encontro Indígena – Museu de Pré-História Casa Dom Aquino”, recebeu o prêmio de Melhor Fotografia.

Fórum Teles Pires destaca importância do audiovisual para causas sociais no Cinemato

O documentário “UHE Sinop x Assentamento 12 de outubro”, segundo vídeo da Forest Comunicação selecionado para o Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá – Cinemato, foi exibido na última quarta-feira (25).
No Anfiteatro do Espaço CDL estavam presentes diversos atores do cenário socioambiental mato-grossense para prestigiar o curta produzido em 2013.  Jefferson Nascimento, do Movimento dos Atingidos por Barragens – MAB apresentou o vídeo em nome do diretor Thiago Foresti.
Ele falou que o documentário foi importante para a inclusão do Assentamento no Plano Básico Ambiental – PBA, que define as ações e programas que as empresas devem tomar quando operam um empreendimento que causa impacto ambiental negativo. Nascimento reconheceu o trabalho voluntário da Forest. “O vídeo é um exemplo de como o audiovisual pode contribuir para uma causa social”, disse ele.
Nascimento veio à Cuiabá especialmente para a apresentação do documentário. Em sua fala ele ressaltou que a situação do Assentamento 12 de outubro é um bom exemplo do processo de licenciamento das hidrelétricas. “Situações como essa acontecem diariamente em diversas partes do Brasil onde milhares de famílias se veem desalojadas para dar lugar a empreendimentos de infra-estrutura”.
No momento, o Ministério Público Federal está contestando o PBA. A exibição do vídeo no Cinemato foi importante para que a situação do assentamento e do processo de licenciamento de hidrelétricas seja conhecida por um público maior do que apenas as redes socioambientais.

terça-feira, fevereiro 11, 2014

Festival divulga filmes mato-grossenses selecionados para a mostra

Dos 34 filmes inscritos, apenas 12 foram selecionados. Os premiados vão ganhar suporte técnico para a realização de novas produções

Assessoria - Entre as apostas dos selecionados para as mostras competitivas Curtas do Mato e Curtas Pontos de Cultura, figuram personagens da cultura mato-grossense e o cinema com viés de denúncia. O artista plástico Clovis Irigaray, o grafiteiro Babú e o escritor Juliano Moreno têm suas vidas comentadas. Em outra via, o curta-metragem “Paraizoo”, utiliza a poética para questionar a fronteira agrícola do algodão que avança rumo à Chapada dos Guimarães.

Dos 34 filmes inscritos, apenas 14 foram selecionados para competição, sendo que 12 deles dividem-se em duas mostras. Os curtas Dom Aquino Corrêa – O poeta da Esperança, de Duflair Magri Barradas e “Ivens Cuiabano Scaff – O poeta bem comportado”, de João Carlos Manteufel Junior , serão exibidos como hors concours na 19ª edição do Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá. Vale ressaltar, o festival sofreu alterações de data e lugar e agora, oficialmente, ocorre entre os dias 20 e 26, no Anfiteatro da CDL, no Centro de Cuiabá.

As sessões têm início às 17h30 com apresentação dos realizadores, seguidos pelos curtas que competem na mostra local e que figuram na Mostra Competitiva Categoria Nacional. Neste caso, competem “Irigaray”, de João Carlos Manteufel Junior, “3,60” e “Le Mur”, de Severino Neto, “Meditacion”, de Matteo Bianchi, “Far Nordeste”, de Dewis Caldas, “Babu 78”, de Paulo Wagner e “Paraizoo”, de Amaury Tangará.

Para a Mostra Curta Mato-Grossense foram selecionados, “Poesia, Café e Sonho com Juliano Moreno”, de Paulo Wagner, “Denilson B. Boy”, de Diego Pessoas, “VI Encontro Indígena – Museu de Pré-História Casa Dom Aquino” e “UHE Sinop x Assentamento 12 de Outubro”, ambos de Thiago Foresti, além de “A Volta dos Que Já Foram”, de Julia Reichert. No último destes, outra faceta da produção mato-grossense, mortos já cansados do ambiente soturno do cemitério intimam o coveiro: querem uma festa, só que no caso, do outro lado.

Os premiados vão ganhar diárias em estúdios, ilhas de produção e captação de imagens, entre outros itens ofertados pelas produtoras Latitude Filmes/Audiovisual, Lamiré Cinema e Vídeo, Donalola Produção Criativa, Plano B Filmes, Infinity Produtora e Rocket Filmes.

segunda-feira, fevereiro 03, 2014

Cinemato divulga lista de filmes nacionais da mostra competitiva

Dentro em breve será divulgada a lista de filmes mato-grossenses que vão concorrer na categoria Melhor Curta Mato-Grossense 

A maior atribuição dos festivais e mostras de cinema é selecionar o que há de mais representativo na atualidade, um conjunto de produções que traduzem a contemporaneidade e que revelam novos nomes do cinema brasileiro. Essa é uma das diretrizes que move o Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá e a programação da Mostra Competitiva confirma essa faceta. As sessões ocorrem entre os dias 19 e 25 de fevereiro, no Cine Teatro Cuiabá com entrada gratuita.

Todos os selecionados circularam por vários festivais consagrados do país e saíram de lá com os melhores prêmios, como é o caso do já cultuado Tatuagem (PE), de Hilton Lacerda, que passa por aqui no dia 24 de fevereiro. Este, assim como outras películas do cinema pernambucano, tem despertado a atenção de público e crítica. A recepção teve ressonância maior com a conquista do Kikito de Melhor Filme e Melhor Ator, para Irandhir Santos.

Sintonizado, o Cinemato – em sua retomada-, traz novo fôlego para o segmento do audiovisual mato-grossense e contempla os cinéfilos com os filmes mais premiados da produção independente no Brasil, mas que usualmente não costumam chegar ao circuito comercial.

O homenageado desta edição, Zelito Vianna, faz as honras do primeiro dia do Cinemato (19), com “Avaeté – Semente da Vingança”, filmado em Mato Grosso em 1985 e que é baseado no massacre dos índios cinta-larga.

avaeté 2O dia seguinte traz a história de um dos ícones da música brasileira. O maior performer de seu tempo, Ney Matogrosso é tema de “Olho Nu” (SP), de Joel Pizzini. Fugindo de uma cinebiografia, o documentário subverte o formato tradicional do gênero e traz uma linguagem própria construída a partir de um conjunto de imagens de diversas épocas reunidas, inclusive, pelo próprio Matogrosso.

No dia 21, o cinema se revela como fio condutor de discussão sobre questões atuais, contribuindo para o enriquecimento do debate. “De Menor”, de Caru de Souza, traz à tona a impotência de uma sociedade que se desgasta no debate em torno da maioridade penal, especialmente, por que sabe o que fazer com os menores infratores.

Na história, uma jovem advogada que exerce a função de defensora na Vara de Menores se depara com um problema: seu irmão é apreendido após praticar alguns delitos e caberá a ela seu futuro.

“O Menino e o Mundo”, de Alê Abreu traz traços singelos e mais cores para o quarto dia do Cinemato (22). A animação premiada em festivais internacionais carrega um tom de melancolia e drama dosados por graciosidade. Na tela, a vida de um menino que sofre a ausência do pai e descobre um mundo fantástico dominado por máquinas-bichos e estranhos seres. Em foco, questões do mundo moderno através das impressões de uma criança.

No mesmo dia, rubro-negros e tricolores cariocas podem comemorar. O documentário “Fla e Flu – 40 minutos antes do nada” retrata uma das rivalidades mais charmosas do futebol mundial e conta com a participação de ídolos dos dois clubes. Pela tela figuram os 11 Fla-Flus mais marcantes da história do confronto, desde o primeiro, em 1912, ao jogo do centenário, em 2012.

Já no dia 23, “O Mestre e o Divino” (PE) dialoga com Mato Grosso, afinal, o documentário retrata a vida na aldeia e na missão de Sangradouro. Os personagens que protagonizam o longa são Adalbert Heide, um excêntrico missionário alemão que logo após o contato com os índios em 1957 começa a fazer registros e o jovem cineasta xavante Divino Tserewahu que produz filme para a televisão e festivais de cinema desde os anos 90. Ambos revelam em seus registros, bastidores da catequização indígena no Brasil.

“Tatuagem”, de Hilton Lacerda estreia por paragens cuiabanas no dia 24. A ficção é ambientada em 1978. A ditadura militar, ainda atuante, mostra sinais de esgotamento. Em um teatro/cabaré, localizado na periferia entre duas cidades do Nordeste do Brasil, um grupo de artistas provoca o poder e a moral estabelecida com seus espetáculos e interferências públicas. Liderado por Clécio Wanderley, a trupe conhecida como Chão de Estrelas, juntamente com intelectuais e artistas, além de seu tradicional público homossexual, ensaiam resistência política a partir do deboche e da anarquia.

Por fim, no dia 25, ocasião da premiação dos vencedores, o Cinemato exibe ainda, o documentário hors concours,Cidade Cinza (SP), de Marcelo Mesquita e Valiengo que narra as desventuras dos grafiteiros em São Paulo.

Vale ressaltar, a retomada do festival traz peculiaridades, já que esta é a primeira vez em sua história que ocorre por determinação do Governo do Estado de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Cultura. “A natureza jurídica do recurso exige que ele seja realizado no prazo de 60 dias para a execução e prestação de contas. Sendo assim, tivemos que fazer adequações”, diz o idealizador do Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá, Luiz Borges.

Entre as adequações, figura a mudança na Mostra Competitiva de longa e curta-metragem. A curadoria do Cinemato fez a seleção que engloba produções brasileira de várias regiões.  “Tivemos que nos adaptar para esta retomada, mas, ainda assim, a plateia ganha com uma seleção primorosa”, destaca Borges.

Dentro em breve será divulgada a lista de filmes mato-grossenses que vão concorrer na categoria Melhor Curta Mato-Grossense.

Confira a lista de curtametragens de várias regiões do país selecionados para esta edição:

O Castelo (SP), de Rodrigo Grota

Anos de Luz (AM), de Aldemar Matias

O Florista (SP), de Filipi Silveira

Contratempo (RJ), de Bruno Jorge

Lição de Esqui (CE), de Leonardo Mouramateu

Ser Tão Cinzento (BA), de Henrique Dantas

Espátula e Bisturi (PA), de Linda Beatriz Rocha

Linear (SP), de Amir Admoni

A Galinha que Burlou o Sistema (SP), de

Jessy (BA), de Rodrigo Luna

Acalanto (MA), de Arturo Saboia
 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.