Google+ Cinema e Mídia: Confiar

Social Icons

twitterfacebookgoogle plusrss feedemail

quinta-feira, setembro 22, 2011

Confiar


O que um pai faria se sua filha adolescente fosse vítima de abuso sexual? Se fosse um filme de ação o pai se tornaria um vingador e sairia matando meio mundo até pegar o criminoso. Mas na vida real o que é possível fazer é algo bem diferente. E é nisso que aposta o drama Confiar, com Clive Owen (Intriga Internacional e Fora de Rumo e a jovem e talentosa Liana Liberato.

Veja o trailer do filme clicando aqui!

Dirigido por um surpreendente David Schwimmer, o eterno Ross da série Friends, que emprestou sua voz a hipocondríaca girafa Melman, de Madagascar, e havia dirigido anteriormente a comédia Maratona do Amor, com o ator Simon Pegg. Mas é neste drama que ele se mostra seguro na direção ao trabalhar com um bom elenco, uma história delicada que poderia descambar facilmente para um dramalhão pesado ou algo inverossímil.

Em Confiar, a história é antes de tudo, plausível. E mais do que falar sobre a violência sofrida pela garota mostra que mesmo famílias resolvidas financeira e emocionalmente estão fadadas a sofrerem traumas que talvez pudessem ser evitados. E é isso que dá um peso sério ao desespero de um pai que busca ser o herói diante da sua ausência com os filhos.

Para não entregar muito sobre o filme, acho que vale compará-lo a duas produções que me vieram à mente. Uma é Um Olhar do Paraíso, de Peter Jackson, onde um pai tenta descobrir o assassino de sua filha. Mas o diretor errou a dose ao oferecer um desfecho fantasioso e sobrenatural. Outra produção que me veio à mente foi Antes e Depois, com Meryl Streep e Liam Neeson, em que este faz um pai desesperado para evitar que o filho seja preso após matar a namorada. Nos dois casos, a figura paterna geralmente estereotipada como “herói” é fatalmente confrontada com a realidade limitadora do que se pode fazer, inclusive ética e moralmente.

Mas Confiar é superior aos dois filmes citados porque sugere muito mais do que conclui, camufla ao invés de entregar. E também graças a interpretação firme de Liana Liberato, que faz a adolescente segura de si que mesmo assim cai na conversa de um desconhecido que conheceu num chat da internet.

Um perigo real e verdadeiro que na realidade o desfecho é ainda pior do que no filme, que apesar de lidar com este tema tão delicado, consegue ao mesmo tempo nos comover e nos fazer acreditar que há esperança.

Direção: David Schwimmer
Elenco: Clive Owen, Catherine Keener, Jason Clarke, Noah Emmerich, Viola Davis
Roteiro: Andy Bellin, Robert Festinger
Origem: EUA
Estreia no Brasil: 2011

Curta o cinema e mídia no Facebook clicando aqui
Siga no Twitter clicando aqui


4 comentários:

Landis Filho disse...

Não assisti ainda esse filme. Mas fiquei curioso. Parabéns pelo blog hermano. Sim, postei uma matéria sua. Sempre devidamente creditada. Obrigado pela confiança! Fica na Paz!

Raros da Web disse...

Fiquei muito disposto a ver esse filme. Parabéns pelo post!

Andre Alves disse...

Pois é Raros, que bom que gostou. li hoje uma crítica negativa no site omelete mas li também uma positiva do Roger Ebert, que avaliou super bem o filme também.

Mas acho que vai gostar tb

Anônimo disse...

Eu assisti esse filme, já faz um tempo, é realmente muito bom, demonstra o que acontece na realidade de muita gente.

 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.