Google+ Cinema e Mídia: Meia-noite em Paris

Social Icons

twitterfacebookgoogle plusrss feedemail

quinta-feira, janeiro 05, 2012

Meia-noite em Paris


“Nenhum tema é ruim se a história é verdadeira, se a prosa é limpa e honesta e se ela confirma coragem e graça sob pressão.” A frase, dita em certo momento de Meia Noite em Paris por Ernest Hemingway a Gil (Owen Wilson) ilustra bem esta produção de Woody Allen, confirmando que os ares europeus fizeram muito bem ao diretor que se renovou, sem, contudo, abandonar sua essência.

O protagonista Gil é um roteirista de sucesso em Hollywood que quer se tornar um escritor e está de passagem em Paris com sua noiva e sogros. Sem mais nem menos, seguindo a cartilha do realismo fantástico, Gil pega carona (à meia-noite, daí o nome do filme) com o simpático casal Fitzgerald e viaja a uma onírica e boêmia Paris dos anos 20, com direito a outros escritores como o próprio Hemingway, músicos como Cole Porter e outros artistas como Salvador Dalí, Picasso, além do cineasta Luis Buñuel.

É nessa antiga cidade da luz que Gil tem a oportunidade de ter seu livro apreciado pela escritora e poeta Gertrude Stein (Kathy Bates). E é na casa da poetisa que ele se encanta pela enigmática Adriana (Marion Cotillard), que poderá mudar os rumos da sua vida.

Tirando a viagem no tempo, a história central é uma estrutura arquetípica de Woody Allen: escritor maduro (como em Você Vai Conhecer o Homem dos seus Sonhos e tantos outros filmes do diretor) em crise com a atual companheira se apaixona por outra mulher. Mas o que torna grandioso Meia-Noite em Paris é a forma como ele consegue abordar um tema recorrente de forma extremamente bem humorada e romântica.

O Gil de Owen Wilson é uma das melhores versões do alterego de Woody Allen, até mesmo pelo encantamento dos artistas do início do século XX, incluindo Cole Porter do qual o diretor é fã declarado. E esse “perdido” personagem que precisa reviver a nostalgia de um tempo que não é seu para se reencontrar percebe, a duras penas, que não poderia viver no passado, até porque o seu “novo” amor é uma versão feminina de si mesmo. É no presente que ele precisa viver. E tão importante quanto o "quando" é o "onde" e o "com quem".

Interessante como apesar de a viagem no tempo mais fantástica tenha sido realizada por Gil, ele não é o único. Ele e Adriana viajam para o século XIX e um detetive vai parar em uma época ainda mais remota. No entanto, seu sogro também é preso ao passado conforme é demonstrado em sua postura conservadora republicana. Sua noiva também, de certa forma, viaja ao passado ao cair novamente na lábia pedante de seu ex-namorado.

Meia-Noite em Paris é uma ode ao passado e ao presente. O passado é pra quem sabe sonhar e o presente, para quem sabe viver. E esta obra-prima de Woody Allen é pra quem sabe apreciar o que há de bom em tudo isso!


Título Original: Midnight in Paris
Direção: Woody Allen
Elenco: Owen Wilson, Rachel McAdams; Léa Seydoux; Michael Sheen, Adrien Brody, Marion Cotillard, Carla Bruni, Kathy Bates
Roteiro: Woody Allen
Origem: Estados Unidos / Espanha
Estreia: 2011
Vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original

4 comentários:

Leonardo disse...

Posso te sugerir sempre colocar o título original depois do titulo tupiniquinizado do filme? Fica mais fácil saber qual é.

Valeu.

Andre Alves disse...

vou colocar o nome original na ficha técnica, ok. Aí fica fácil saber qual é.
Se bem que esse a tradução é literal: Midnight in Paris.

gabriel disse...

Vi esse filme despretenciosamente, e me surpreendeu, achei bem legal.. Vale a pena assistir.

Cinefilando disse...

Um belíssimo filme, uma bela crítica.

 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.