Google+ Cinema e Mídia: O Filho da Noiva

Social Icons

twitterfacebookgoogle plusrss feedemail

quarta-feira, fevereiro 01, 2012

O Filho da Noiva


Quase uma década antes de realizarem o excelente O Segredo dos seus olhos, o diretor Juan José Campanella e o ator Ricardo Darín haviam realizado outro filme especialmente notável: O Filho da Noiva. Nesta história, que poderia ser um drama pesado, a tônica sempre tem uma ironia fina e um romantismo que é impossível ficar insensível ao que se vê.

Darín interpreta Rafael Belvedere, um estressado homem de 42 anos que abandonou a advocacia e passou a tomar conta do restaurante fundado pelos pais. Separado, não consegue estabelecer uma relação harmoniosa com a filha e ignora por completo a namorada. Fumante inveterado, após um dia estressante em casa e no trabalho, uma visita inquietante à mãe internada num asilo e o reencontro de um velho amigo, Rafael tem um infarto.

Depois de 15 dias internado, quer mudar de vida e planeja seguir um antigo sonho: ir à merda. Vender o restaurante e ir morar no México. Em muitas histórias um incidente grave como este seria o clímax da história e faria o protagonista mudar para uma vida melhor. Mas não é o que acontece aqui. Amargurado e cansado de “estar sempre ajudando os outros” ele precisa encarar a vida e decidir entre a liberdade infantil de sumir no mundo ou a continuar se importando com as pessoas a sua volta.

Entre essas pessoas a sua volta estão seus funcionários do restaurante, incluindo um primo lesado, um grande amigo fracassado que perdeu esposa e filha em um acidente de carro, a filha com quem ele não sabe criar e até com a ex-esposa com quem não sabe relacionar. Além disso, precisa decidir pelo futuro que quer com sua namorada e ainda, daí vem o nome do filme, ajudar o pai a realizar o sonho da mãe de se casar na igreja, ainda após 44 anos de união estável.

O elenco ajuda muito a compor essa história bonita que também tem seus ótimos momentos de ironia e sarcasmo como quando Rafael quer levar sua filha para morar com ele no México, ao que a mãe responde: “Quem vai lhe dar aulas? O Professor Girafales? Pense no que diz!”. Ou ainda, no diálogo dele com o padre que deveria casar os pais: “- Deus não é velho nem jovem, nem homem, nem mulher, nem branco, nem negro...   - Não padre, esse é Michael Jackson!”. Mas também há críticas sociais e políticas que contextualizam bem a época do filme quando ele diz que a Argentina está sempre em crise: ora com inflação, ora com recessão. E ainda seu amigo que faz uma ótima comparação entre o bullying na escola e as grandes corporações: “No final das contas, o grande continua batendo no pequeno”.

Enfim, não precisamos ser Einstein, Bill Gates ou Dick Watson para sermos grandes pessoas, mas um filme com Juan José Campanella dirigindo ou com Ricardo Darín atuando é um forte indício de estarmos vendo uma obra-prima.

Título Original: El Hijo de la novia
Direção: Juan José Campanella
Elenco: Ricardo Darín, Héctor Alterio e Norma Aleandro
Roteiro: Fernando Castets, Juan José Campanella
Origem: Argentina
Estreia: 2001

3 comentários:

Deroní Mendes disse...

Emocionante, meu amor. Quando verdadeiro nunca morre. Eu acredito nisso. o Filme me fez lembrar um livro que li a uns 10 anos ainda que se chamava "o caderno de Noah" do autor norte -americano Nicholas Sparks. Muito lindo também...

“Os poetas muitas vezes descrevem o amor como uma emoção que não podemos controlar, uma emoção que abafa a lógica e o senso comum” - Nicholas Sparks - O Caderno de Noah
Recomendo, bjus

Andre Alves disse...

Que lindo, querida. Você me deixou com vontade de ler esse caderno...
Mas acho que não são só os poetas que descrevem o amor dessa forma. Acho que me encaixo aí também, viu?

Deroní Mendes disse...

Se encaixa sim, meu amor. Quanto ao livro, creio que você irá gostar sim. Depois me fale. Bjus

 
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.